”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Quando a tarde cai

Na tarde outonal, que já finda,
Os amantes observam, na penumbra,
Seus corpos nus, ainda extenuados
Dos extremos prazeres que gozaram.
.
A chama do desejo, ainda acesa,
Aproxima-os na quase noite,
Retomando as carícias interrompidas
E que voluptuosamente os envolve.
.
Assim, tão excitados, se entregam.
Seus corpos se integram na avidez do prazer,
Seus lábios sussurram todo o tesão restante
E explodem num frêmito de gozo mútuo.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Envolvente

Seus lábios
(êxtase de puro carmim),
Um beijo
(sabor definido na carne).
A volúpia envolve homem e mulher,em todas as maravilhas.

domingo, 14 de agosto de 2016

Esplendor

No errar da lua
              Tu, nua, surgiste.
Então as estrelas, todas, compreenderam sua insignificância, diante de ti.  

sábado, 6 de agosto de 2016

Síntese

Perda de tempo buscar
             Frases e rimas rebuscadas,
Se somente uma palavra
             É suficiente para definir-te:
Síntese...

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Nós

Sempre estarei em teus sonhos
            E tu sempre adentrarás meus castelos.
Nas horas que mais precisares de mim,
Sempre eu serei o primeiro na vigília,
Aquele que vela teu repouso de princesa
            E se embevece em olhar-te, singela.

E quando quiseres meus beijos
            E minhas carícias mais provocantes,
Saibas que serei teu amante, teu homem
            E tu sentirás meu hálito roçar, doce,
Teus lábios trêmulos e desejosos de mim,
Invocando aquele temeroso desejo.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Receptiva

Ah!
Quando assim tu me recebes,
Úmida, excitada,
Acende meus instintos,
Provoca-me o tesão
              E precipito-me, embriagado,
Ao teu corpo nu, ardente,
Levemente banhado de luz
              Pelo verde do abajur.

Ah!
E já me esperas.
Receptiva e sôfrega
              Toma-me o sexo
              Acariciando-o com os lábios;
Umedece-o rijo
              Tocando-o com a língua.
Então o coloca onde desejas
              E o absorve inteiro.

Ah!
Que torrente de delícias,
Que tempestade de luzes
              Elevam-me desse plano.
Teus sussurros, teus gemidos,
Me transportam ao prazer.
E já gozamos, suados,
Banhando-nos
              Com nossos líquidos.

domingo, 31 de julho de 2016

Do nosso jeito

Quando assim te percebo,
Tão fogosa, ardente,
Sinto meus instintos aflorarem
              Fazendo-me tomar teu corpo,
Lascivo, incandescente,
E por ele percorrer caminhos
              Tão deliciosos, tão doces.

Ao toque de minhas mãos
              Tua pele, cálida, arrepia-se,
Rescendendo a flores da manhã;
Teus mamilos túmidos
              Se oferecem aos meus lábios
              E tuas coxas entreabrem-se,
Oferecendo-me o paraíso.

Exploro-lhe os caminhos,
Sinto-lhe os aromas,
Precipito-me, amante,
Ao teu sexo umedecido e morno.
E entre sussurros e gemidos
              Nos entregamos às delícias,
Que alegram as nossas manhãs.