”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

domingo, 1 de novembro de 2015

Excludente

Seis moirões que vida já foram,
Onde a seiva percorria as fibras
E, vital, cumpria seu desígnio.

Vida vegetal, colosso de verdes
Respirando para nos servir,
Num altruísmo genético e eterno.

Seis fieiras de aço, trançado, frio.
Com nós metálicos regulares
E tantos espinhos ferintes.

Matéria sem vida, inorgânica.
Trefilada em complexos processos
E com serventia tão excludente.

Conjunto tão sinistro e inerte,
Com seus propósitos egoístas
Separando e excluindo vidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário