”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Recolhimento

Em noite de tormentas
          Me recolho.
Enquanto o vacilante lume
          Incendeia uma página amarelada,
Meus olhos passeiam atentos
          Sobre linhas e linhas e linhas.
Inútil busca de respostas
          (Uma lógica qualquer)
          Que me apazígue a alma
          Até que minhas pálpebras,
          Vencidas,
Permitam insinuar-me
          Na incoerência dos sonhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário