”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Teus sonhos

Teus sonhos, todos,
O vento os levarão,
Mas os farão retornar,
Ressonhados e frescos,
Banhados no orvalho
              Que sempre, sempre,
Umedecerá tuas manhãs
              E renovará tua existência.

Na carícia fresca e suave
              Da brisa cantante e calma,
Teu coração, receptivo,
Se abrirá ao novo
              E teus olhos brilharão,
Ficarão plenos de luz
              De uma manhã nova;
Desta tua nova manhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário