”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Cá, em mim

Do teu corpo em púrpura guardo a doçura
               (Pérola rara de inigualável pureza),
Que se refletirá nas noites dos meus dias.

Do teu coração generoso guardo a ternura
               (Diamante raro de inigualável fulgor),
Que se refletirá na mansidão das minhas noites.

Nenhum comentário:

Postar um comentário