”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

sexta-feira, 4 de março de 2016

Cadê Dedé??

Cadê Dedé, cadê Dedé?
Tá cuidando da lombriga
              Ou do bicho de pé.

Cadê Dedé, cadê Dedé?
Tá metido na fumaça
              Ou bebendo capilé.

Cadê Dedé, cadê Dedé?
Tá roçando um matagal
              Ou cercando um garnisé.

Cadê Dedé, cadê Dedé?

Tá na casa do Simão
              Ou na quitanda do Zé.

Cadê Dedé, cadê Dedé?

Tá no mato catando lenha
              Ou viajou pra Jequié.

Cadê Dedé, cadê Dedé?

Tá ralhando com as crianças
              Ou brigando com a mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário