”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

domingo, 14 de agosto de 2016

Esplendor

No errar da lua
              Tu, nua, surgiste.
Então as estrelas, todas, compreenderam sua insignificância, diante de ti.  

sábado, 6 de agosto de 2016

Síntese

Perda de tempo buscar
             Frases e rimas rebuscadas,
Se somente uma palavra
             É suficiente para definir-te:
Síntese...

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Nós

Sempre estarei em teus sonhos
            E tu sempre adentrarás meus castelos.
Nas horas que mais precisares de mim,
Sempre eu serei o primeiro na vigília,
Aquele que vela teu repouso de princesa
            E se embevece em olhar-te, singela.

E quando quiseres meus beijos
            E minhas carícias mais provocantes,
Saibas que serei teu amante, teu homem
            E tu sentirás meu hálito roçar, doce,
Teus lábios trêmulos e desejosos de mim,
Invocando aquele temeroso desejo.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Receptiva

Ah!
Quando assim tu me recebes,
Úmida, excitada,
Acende meus instintos,
Provoca-me o tesão
              E precipito-me, embriagado,
Ao teu corpo nu, ardente,
Levemente banhado de luz
              Pelo verde do abajur.

Ah!
E já me esperas.
Receptiva e sôfrega
              Toma-me o sexo
              Acariciando-o com os lábios;
Umedece-o rijo
              Tocando-o com a língua.
Então o coloca onde desejas
              E o absorve inteiro.

Ah!
Que torrente de delícias,
Que tempestade de luzes
              Elevam-me desse plano.
Teus sussurros, teus gemidos,
Me transportam ao prazer.
E já gozamos, suados,
Banhando-nos
              Com nossos líquidos.