”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

domingo, 27 de dezembro de 2015

Fim

Depois do primeiro amanhecer
              Só restaram as dúvidas, os pesares.
O encanto fragmentou-se, enfim,
E os cacos, todos, perderam-se
              Para sempre na neblina densa.

Aquela chama vital, tão intensa,
Nada mais era que tímido lume,
Incerto e tremulante, quase nada,
Que ainda teimava, tão insistente,
Em um canto qualquer de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário