”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Queixas do vento

Reunidos, os fenômenos atmosféricos
              Riam a solta do pobre vento sudoeste,
Naquele instante nada além de um sopro.
O vento, amuado, reclamava lamentoso:
.
De você, trovão, que ribombeia e assusta,
              Ninguém fala tão mal dos teus estrondos
Assustadores; se tanto um “cruz credo”
.
De você, relâmpago, que faísca temerário,
              Nunca ouvi uma queixinha assim mais forte
Mesmo quando queimas os ipês e os cedros.
.
E de você, chuva, que alaga e inunda terras,
No máximo é chuvarada ou pé-d'água,
Sossegando, te esquecem, até te perdoam.
.
Agora de mim, vejam só, é tufão, é  furacão,
É pé-de-vento, é vendaval, é tormenta.
Até de uma brisa fresquinha, queixam-se eles
              De ciscos nos olhos e de resfriado malsão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário