”A tempera de uma alma é dimensionada na razão direta do teor de poesia que ela encerra” (Horácio Quiroga)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Recomeço

Numa estranha tarde
              De baixos cúmulos,
Já quase cinzentos,
Ameaçadores,
Fiquei só.

Os cúmulos,
Tão insensíveis,
Derramaram a chuva
              Que me banhou,
Sozinho, naquela tarde.

Mas a brisa,
Refrescada e mansa,
Secou-me o pesar
              E o sol (luz e calor)
              Devolveu-me o viço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário